Assista nosso Programa

quarta-feira, 3 de março de 2010

Editora Peirópolis lança Quantas músicas tem a Música


Obra da educadora musical, Teca de Alencar Brito, Quantas músicas tem a Música?, propõe ao público leitor mergulhos nas sonoridades, trabalhando com instrumentos e músicas de várias culturas

FICHA TÉCNICA:

Título: Quantas músicas tem a Música? - Ou algo estranho no museu!
Autora: Teca Alencar de Brito
Ilustradora: Silvia Almstalden
Nº de páginas: 80
ISBN: 978– 85-7596-169-8
Formato: 22 X 19 cm
Preço: R$ 38,00


A Editora Peirópolis lança o livro Quantas músicas tem a Música?, de autoria da educadora musical, Teca de Alencar Brito. A obra, que vem acompanhada de um CD de músicas, foi produzida a partir do trabalho realizado com alunos da oficina de música da autora e propõe ao público leitor mergulhos nas sonoridades carregadas de afetos e sentidos que as muitas músicas da Música podem disparar.

Por meio da pesquisa, escuta, invenção e interpretação, a autora trabalha com instrumentos e músicas de várias culturas, dedicando-se a “conquistar” instrumentos “estranhos”, a cantar em outros idiomas e também a brincar como fazem as crianças de outros lugares do mundo.

“Partindo da escuta de nosso entorno, dos sons e músicas que nos rodeiam, acercamo-nos de sonoridades, materiais e produções musicais de outros povos, constatando que as singularidades– que nos distinguem – também nos aproximam como seres humanos (e musicais!)”, completa Teca.

No jogo da escuta e da música o leitor é convidado a descobrir as diversas facetas musicais que o corpo, os objetos, instrumentos e até mesmo o silêncio podem produzir e revelar. Seja com o choro, a congada no Brasil, o blues norte-americano, as canções de ninar ou as brincadeiras musicais o importante mesmo é se deixar levar pela encantadora aventura musical.

No mix de instrumentos e culturas a clássica canção de roda brasileira ‘A canoa virou’ dá espaço ao ritmo de Portugal, onde a canoa virou barca! Já no México a brincadeira se chama ‘El subir la barca’ (Ao subir na barca). Na Guatemala, por sua vez, as crianças gostam de brincar de ‘Hoja de té’ – jogo de mãos guatemalteco.

Para conhecer melhor cada um dos instrumentos vale recorrer ao catálogo dos instrumentos musicais do museu. E lá que cada um ganha forma e tom com um texto simples e leve. Tortuga, por exemplo, é um instrumento muito antigo típico da Guatemala, percutido com baqueta produz dois sons diferentes. Aliás, vocês sabem a diferença entra uma viola e um violão?

Coube a ilustradora Silvia Almstalden transformar cada um dos ritmos em imagens, com ilustrações leves e harmoniosas. Já os participantes ganharam identidade por meio de fotos, que registraram as criações e produções dos musicais dessa aventura sonora.

Sobre o autora:
Teca (Maria Teresa) Alencar de Brito é Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC- SP, Bacharel em Piano e Licenciada em Educação Artística (Habilitação em Música). Professora no Departamento de Música da ECA-USP desde 2008, criou, há 25 anos, a Teca Oficina de Música, núcleo de educação musical em São Paulo, Capital, voltado à formação de crianças, jovens e adultos. Produziu 5 cds documentando o trabalho musical desenvolvido com crianças e adolescentes (Canto do povo daqui, Cantos de vários cantos, Nós que fizemos, Música pra todo lado, Um bolo...musical). É autora dos livros Música na educação infantil: propostas para a formação integral da criança e Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical, ambos pela Ed.Peirópolis, além de vários artigos na área da educação musical.

Sobre a Editora Peirópolis:
Criada em 1994, a Editora Peirópolis tem como missão contribuir para a construção de um mundo mais solidário, justo e harmônico, publicando literatura que ofereça novas perspectivas para a compreensão do ser humano e do seu papel no planeta. Suas linhas editoriais oferecem formas renovadas de trabalhar temas como ética, cidadania, pluralidade cultural, desenvolvimento social, ecologia e meio ambiente – por meio de uma visão transdisciplinar e integrada. Além disso, é pioneira em coleções dedicadas à literatura indígena, à mitologia africana e ao folclore brasileiro. A editora está afinada com os propósitos do terceiro setor, participando ativamente do crescente movimento de sua profissionalização. Para saber mais sobre a Peirópolis, acesse www.editorapeiropolis.com.br