Assista nosso Programa

segunda-feira, 28 de junho de 2010

O Herdeiro Dragão

Em “O Herdeiro Dragão”, lançamento da Editora DCL (selo Farol), o destino final da fantástica sociedade dos Weirs será decidido

A Editora DCL lança, pelo selo Farol, O herdeiro dragão, terceira parte da saga de Cinda Williams Chima, que oferece ao leitor um grandioso desfecho para os conflitos existentes entre os Weirs, a fantástica sociedade mágica estruturada pela autora nas duas obras anteriores – O herdeiro guerreiro e O herdeiro mago - e que está prestes a ruir devido a uma guerra eminente.

As diferenças entre os membros da Rosa Branca e da Rosa Vermelha, chegam ao ponto máximo de tensão quando o Coração do Dragão, a fonte do poder de todas as ordens mágicas, é encontrado e levado até a pequena cidade de Trinity.

Ambas as ordens desejam tomar para si o artefato para, assim, garantir suficiente poder para a destruição dos oponentes. A única esperança de que um confronto épico seja evitado está nas mãos dos Weirlinds que não são afiliados a nenhuma delas.

Entre eles estão: Jack Swift e Ellen Stephenson, os guerreiros que, na primeira obra, desafiaram as ordens ao se recusarem a lutar entre si para decidir o futuro do governo dos Weirs; Seph McCauley, o jovem mago que, em legítima defesa, assassinou o perverso Gregory Leicester; Jason Haley, o órfão de sangue mestiço que encontra o Coração de Dragão e tem um grandioso destino revelado; e Madison Moss uma garota capaz de absorver poderes mágicos e pode sentir a pulsação do Coração do Dragão.

A batalha final se aproxima e as decisões de cada um dos personagens pode alterar totalmente o seu resultado. O que motiva esses jovens a lutar? E pelo quê eles estão dispostos a se sacrificar? A resposta para essas perguntas vai definir o destino de todos.


FICHA TÉCNICA:

Título: O Herdeiro Dragão
Autor: Cinda Williams Chima
Formato: 15,5 x 22,5 cm
Nº. de Páginas: 614
Acabamento: brochura
ISBN:
Preço:

Craques do esporte brasileiro como Mané Garrincha, João do Pulo e Rivellino ganham biografia sobre a infância

Coleção “Pequenos Craques” da Callis Editora traz histórias curiosas sobre a vida de atletas que conquistaram o mundo




Mané Garrincha é considerado um dos maiores jogadores da história do futebol. Desde pequeno já fazia dribles incríveis com suas famosas "pernas tortas". Conhecido como o “Diamante Negro do Futebol” e o criador da “bicicleta”, Leônidas da Silva cresceu na beira do mar e sonhava em entrar para um time profissional. João do Pulo enfrentou uma infância difícil, mas logo se destacou nos saltos e ganhou importantes medalhas nas Olimpíadas e nos Jogos Pan-americanos.



A coleção “Pequenos Craques” da Callis Editora promete atrair a curiosidade dos apaixonados pelo o esporte e das crianças. A autora e jornalista Paola Gentile pesquisou a fundo a história de atletas brasileiros, que superaram os obstáculos e conquistaram o mundo. “Os livros aproximam de forma lúdica e simples a história desses craques da vida cotidiana de adolescentes que têm os mesmos sonhos”, afirma Miriam Gabbai, diretora da Callis Editora. A coleção traz também as histórias da infância de Rivellino e da Magic Paula. Com 32 páginas cada, os livros contam com ilustrações do cartunista João Lin.



Já estão no forno os próximos títulos da Coleção, que contarão a infância do bicampeão paraolímpico de futebol de cinco para cegos, Mizael, e do craque brasileiro no Xadrez, Mequinho. Os dois livros serão lançados na Bienal do Livro deste ano, que ocorre em agosto.


Serviço:

Coleção Pequenos Carques
Callis Editora
Autora: Paola Gentile
Ilustração: João Lin
21 cm x 21 cm
32 páginas
Preço sugerido: R$ 18,90

O Gerente Intermediário

Manual de Sobrevivência dos gerentes, supervisores, coordenadores e encarregados que atuam nas organizações brasileiras


Os desafios inerentes aos processos de gerenciamento e liderança são cada vez maiores para os gestores intermediários. Só é possível trilhar um caminho de conquistas duradouras se esse profissional compreender quais os papéis devem ser exercidos na empresa onde atua e a cultura organizacional ali instalada, uma vez que esta influencia seus resultados de forma direta.

Se, no início dos anos 90, os gestores intermediários, conhecidos como “burocratas desnecessários”, correram o risco de desaparecerem, agora, esses profissionais são considerados imprescindíveis na estrutura organizacional e decisivos para que as companhias alcancem êxito em suas estratégias corporativas. É desse princípio que parte o livro O Gerente Intermediário, escrito pelo administrador de empresas Wellington Moreira.

Repleto de temáticas desenvolvidas com uma linguagem direta, um texto leve, descontraído e fundamentado por exemplos consistentes, a obra desperta importantes reflexões. No decorrer de leitura é possível encontrar uma ampla discussão a respeito dos principais elementos que compõem a gerência intermediária. Entre eles estão os papéis, atribuições e perfil comportamental do gestor médio, estilos de liderança que podem ser adotados, práticas de gestão de pessoas no dia a dia de trabalho e ainda um leque de estratégias bem-sucedidas.

Mais do que um manual completo ações, O Gerente Intermediário possui um conjunto de lições para que gerentes, supervisores, coordenadores, encarregados, chefes de departamento e demais profissionais de cargos de gestão no nível tático precisam para equilibrar e atender às necessidades do staff principal e dos subordinados diretos de suas companhias.
Público-Alvo: Indicado para profissionais que trabalham como gestores intermediários de suas organizações e desejam edificar suas estratégias e ações.
Autor: Wellington Moreira é palestrante e consultor empresarial nas áreas de Desenvolvimento Gerencial e Gestão de Carreiras, também é professor universitário em cursos de pós-graduação. Mestre em Administração de Empresas, possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas e é especialista em Comunicação Empresarial. Membro do IBCO (Instituto Brasileiro de Consultores Organizacionais), é colunista de diversos jornais e portais de internet, bem como autor dos livros “Aprendendo a falar em público” (Ed. Eduel, 2000) e “Como elaborar seu currículo e participar de entrevistas de emprego” (Ed. Saber, 2002). Diretor-executivo da Caput Consultoria, entre seus principais clientes corporativos constam organizações de vários estados brasileiros e segmentos de mercado, que confiam a ele e sua equipe de profissionais vários projetos de consultoria e programas de educação corporativa amplamente reconhecidos pelo mercado.

Dados Técnicos:

Preço: R$ 30,00

ISBN: 978-85-7303-904-7

Número de Páginas: 128

Formato: 16 X 23 cm

Um homem. Um mito. Sucesso arrebatador nas telonas.

Um homem. Um mito. Sucesso arrebatador nas telonas.
Não deixe de ver “As Vidas de Chico Xavier”

A Sony Pictures Home Entertainment lança um dos maiores sucessos de público do cinema nacional. “Chico Xavier” chega às lojas e locadoras, simultaneamente, em DVD e Blu-ray, a partir de 28 de julho.

Ele faleceu após o Brasil se consagrar Pentacampeão mundial. E agora, no ano em que completaria seu centenário, as vidas de Chico Xavier podem ser conhecidas nas lojas e locadoras de todo o país, logo depois de terminar mais uma Copa do Mundo de futebol.

Pronto para dar belíssimas lições de amor e caridade, o homem que dá nome ao filme é questionado por alguns, admirado por muitos e, principalmente, respeitado por todos! Por isso levou mais de 3 milhões de pessoas ao cinema e bateu recordes já na semana de estreia, sendo considerado por alguns críticos como o “Avatar brasileiro”, e olha que nem é 3D...

Baseado no livro As Vidas de Chico Xavier, do jornalista Marcel Souto Maior, o filme descreve a trajetória do médium que viveu 92 anos desenvolvendo importante atividade mediúnica e filantrópica. Com uma vida conturbada, cheia de lutas e muito amor, escreveu mais de 400 livros psicografados, consolou milhares de pessoas, pregou a paz e estimulou a caridade.

Gênero: Drama
Direção: Daniel Filho
Elenco: Nelson Xavier, Christiane Torloni, Tony Ramos
Duração: 125 minutos
Ano de produção: 2009
Classificação Indicativa: Livre

Raquel Moreno lança seu primeiro livro: Loucuras de Cristina

O calor da Cidade Maravilhosa aquece as aventuras de uma jovem irreverente e divertidíssima que circula pelos lugares mais balados - e fictícios - do Rio de Janeiro. Cristina é o retrato da mulher atual: livre, desimpedida, baladeira, independente, vaidosa, trabalhadora, dona de si... mas também romântica e sonhadora. A protagonista de Loucuras de Cristina marca a estréia da jornalista Raquel Moreno na literatura nacional e suas aventuras são capazes de causar delírio na classe feminina e o desespero masculino. Afinal, será que os homens estão preparados para se depararem com as opiniões sinceras das mulheres?!

Cristina é fruto da liberdade, que garante a uma jovem questionar a compulsão por cirurgias plásticas e tratamentos estéticos; a busca pelo homem ideal (nem que seja por uma noite apenas); a conquista da individualidade e da liberdade convivendo harmonicamente com tradições familiares; a batalha profissional, etc. Em Loucuras de Cristina é permitido ainda ser politicamente incorreta, debochada e fútil. Em seu primeiro livro, Raquel Moreno coloca as mulheres em primeiro plano, sem ter a pretensão de defender discursos feministas. Nas 30 crônicas publicadas, os leitores encontram aquela discussão filosófica de amigas reunidas num bar ou aquela rápida confidência revelada no banheiro feminino.

Bastidores de Cristina

A trajetória de Cristina começou com a transição da adolescência para a juventude de sua criadora, que, seguindo os conselhos de sua terapeuta, passou a escrever crônicas. De Petrópolis para lugares mais distantes, os textos se espalhavam entre amigos e familiares via e-mail. Com a evolução dos meios digitais, veio um blog e a multiplicação de fãs. No início deste ano, Raquel finalmente pode realizar o sonho de imortalizar sua criação nas páginas de um livro por meio do site agBook da AlphaGraphics, que possibilita a revelação de novos talentos com a democratização da literatura nacional.

Disponível para leitores de todo o país, Loucuras de Cristina está à venda no http://www.agbook.com.br/book/18192--Loucuras_de_Cristina, por R$ 42,14. Nas cidades com unidades AlphaGraphics (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, São José dos Campos, Ribeirão Preto, Teresina, Vitória e, em breve, Fortaleza, São Bernardo do Campo e Campinas), os compradores podem optar pela retirada dos exemplares nas lojas da rede, sem custo de frete e prazo mais rápido. Futuramente, o livro Loucuras de Cristina também poderá ser impresso em lojas internacionais AlphaGraphics, presentes em países como Estados Unidos, China, Inglaterra e México.

Um pouco das Loucuras de Cristina

Festa de família, a melhor ocasião para comer bem, beber bem, falar mal da filha da prima da sua mãe e chegar à conclusão de que em toda família o cinismo se faz necessário quando rolam altos barracos. (Trecho da crônica "Alegria, Alegria, Mais Uma")

Nós, seres humanos, somos como um produto. Possuímos valores agregados, agradamos ou não, e temos o nosso preço! Esse negócio de bancarmos os sentimentalistas, dizendo que o sentido da vida é o amor, que o canto dos passarinhos é como uma sinfonia, e que nos apaixonamos pelo interior da pessoa, são frases feitas. Estamos no mercado, precisamos nos preocupar com a concorrência, entrar na briga para sermos um "share of mind". Temos que atingir metas, lidamos com prazos, números a alcançar! Precisamos trabalhar arduamente para que o nosso produto não entre em declínio! Assim é a busca pelo sexo oposto. Essa história de trabalhar com marketing está afetando meus neurônios. (Trecho da crônica "Reposicionamento de Marca")

Marquei com a Consuelo, Denise e Suelen de irmos a um bar. Otaviano vai junto e não tem coisa pior pra namorado do que sair com as melhores amigas da namorada sendo o único macho na mesa. Mas o meu espírito competitivo falou mais alto e ele foi intimado a ir junto. Da última vez, saí com ele e os amigos dele. Além de ter sido obrigada a ouvir todas as baixarias possíveis e assuntos sobre futebol e mulher gostosa, ainda levei cantada de um amigo mala e bêbado. E Tavinho ainda disse: "Tá vendo amor como os meus amigos são divertidos? A gente conversa sobre tudo". Mas eu vou provar para ele que as minhas amigas são mais divertidas, conversam sobre tudo e têm conteúdo. (Trecho da crônica "A Aposta")

Criadora ou criatura?!

Raquel Moreno nasceu no dia 6 de dezembro de 1982, na cidade de Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro. Caçula de quatro irmãos, ela passou parte da sua infância e adolescência em Juiz de Fora, Minas Gerais. De volta à sua cidade natal, concluiu seus estudos e cursou Comunicação Social - época em que iniciou a produção das crônicas sobre as aventuras e as loucuras de Cristina. Formada em jornalismo, mudou-se para a capital mineira, onde vive até hoje. Em Belo Horizonte, continuou com a criação de crônicas, enquanto dava os primeiros passos em sua carreira de jornalista.

LANÇAMENTO EDITORA LEYA: CHEGA AO BRASIL O ROMANCE "QUANTAS MADRUGADAS TEM A NOITE", DE ONDJAKI

O escritor angolano Ondjaki, um dos expoentes da nova geração de escritores africanos, lança agora no Brasil, pela Editora LeYa, “Quantas madrugadas tem a noite”, publicado em 2004 em Angola e Portugal. A obra é o segundo romance de Ondjaki, que também se dedica à poesia, ao teatro, aos contos e à literatura infantil.
O autor, que já afirmou em entrevista que “frequentar livros é frequentar mundos”, conduz o leitor até Luanda, cenário das diversas histórias que constituem o romance. Povoada por personagens como o professor albino Jaí, o anão BurkinaFaçam e o protagonista AdolfoDido, a trama flerta com o fantástico ao mesmo tempo quem que traça um panorama atualizado da Luana pós-independendência.
Com temperadas doses de humor, farsa, drama, lirismo e violência, “Quantas madrugadas tem a noite” mantém o estilo presente em outras obras do autor, em que a oralidade permeia fortemente a narrativa, aproximando o leitor dos acontecimentos como se eles estivessem sendo contados entre amigos e entre muitas birras (cervejas). Um breve glossário ao fim do livro esclarece gírias e expressões regionais, que não atrapalham a fluência da leitura.
Embora alegue certa dificuldade com o conceito de literatura africana – “porque África são muitas, e várias, e tantas” -, Ondjaki ocupa lugar de destaque nesta seara, responsável que é por nos apresentar uma Angola contemporânea e diversa, que aprende a lidar com seu passado recente e sofrido.
“Ainda vais rir, mas prepara também o teu coração pra chorar, a vida é mesmo esse laço apertado, tem dias que lhe conhecemos os segredos — lhe desapertamos, outros dias lutamos só, nossas derrotas e lágrimas, e ficamos a olhar: o pescador se irrita com os nós da rede?”

Ficha técnica
Título: Quantas madrugadas tem a noite
Autor: Ondjaki
Formato: 16 x 23 cm
Nº de páginas: 192
Preço: R$ 39,90

Sobre o autor
Ondjaki (codinome literário de Ndalu de Almeida) tem diversos livros publicados, entre contos, romances e poesia. O primeiro deles, “Actu Sanguíneu”, foi publicado em 2000, sendo sucedido por “O Assobiador” (2002), “Bom dia camaradas”, “Há Prendisajens com o Xão” (2002), entre outros. “E se Amanhã o Medo” (2005) foi agraciado com Prêmio Antônio Paulouro (Portugal, 2005). Também pintor e roteirista, aos 33 anos Ondjaki é o mais novo membro da União dos Escritores Angolanos; suas obras já foram traduzidas para o italiano, espanhol, inglês, francês, alemão, sérvio, sueco e chinês. Atualmente, Ondjaki mora no Rio de Janeiro.

Sobre a LeYa
A LeYa nasceu em Portugal, em janeiro de 2008, como empresa holding na qual se integram algumas das mais prestigiadas editoras nacionais e duas das mais bem-sucedidas editoras africanas. Compõem a LeYa as seguintes editoras: ASA, Caderno, Caminho, Casa das Letras, Dom Quixote, Estrela Polar, Gailivro, Livros d'Hoje, Lua de Papel, Ndjira (Moçambique), Nova Gaia, Nzila (Angola), Oceanos, Oficina do Livro, Quinta Essência, Sebenta, Teorema e Texto. A força destas marcas e a qualidade do que produzem, aliada aos objetivos ambiciosos e à dinâmica de grupo, fazem da LeYa uma empresa forte e coesa nos seus objetivos gerais e diversa nos seus programas editoriais.

domingo, 20 de junho de 2010

Um D.Pedro II que poucos conhecem

Editora DCL lança O Príncipe Triste contando a história do solitário menino que foi feito imperador aos 14 anos de idade.

Aos 14 anos, uma viagem a Petrópolis para conhecer o Palácio Imperial serviu de inspiração para que o autor Rui de Oliveira escrevesse o livro O Príncipe Triste, que está sendo lançado pela editora DCL (Difusão Cultural do Livro), contando a história de D.Pedro II, grande personagem da História brasileira que foi feito Imperador aos 14 anos de idade. A obra possui também textos históricos escritos pela antropóloga Lilia Moritz Schwarcz que ajudam a contar a vida do Imperador.
Trabalhando com a ficção e realidade, Rui de Oliveira trata em O Príncipe Triste dos momentos extremos da vida de D. Pedro II: sua precoce coroação aos 14 anos e seu humilhante banimento do país, aos 64 anos de idade. “A criação sempre passa pela memória e pela imaginação, e eu gosto de trabalhar com estes dois universos. O real — não o realismo — é sempre o caminho mais legítimo à fantasia e ao imaginário. Você só acredita no fantástico se ele for crível em sua fantasia. Acho que em O Príncipe Triste consegui esta abordagem do imaginário por meio de fatos reais”, explica o autor.
Uma das intenções do livro é mostrar aos pequenos leitores o verdadeiro valor que o Imperador tem para a história brasileira e que poucos conhecem. “Pretendi realizar um livro que expressasse aos jovens leitores a dimensão humana, as contradições, fraquezas e grandezas do nosso Imperador. Ele, sem dúvida, foi um dos personagens mais trágicos, mal compreendido, profundamente humilhado e ofendido de nossa História, apesar de ter sido amado pelo povo”, enfatiza.
O livro retrata o encontro imaginário de D. Pedro II com Helena Costa, uma menina que cursava a segunda série ginasial do colégio D. Pedro II do Rio de Janeiro, que participou de um concurso de cartazes e, como prêmio, ganhou uma visita ao Palácio Imperial. Entre as peças expostas, um quadro chamou a sua atenção: deparou-se com um retrato de D.Pedro II ainda menino, “com o rosto sério e compenetrado”, com uma fisionomia que parecia triste. Depois de alguns minutos de observação, a pequena Helena ouve uma voz chamando-a: era o pequeno Imperador. Os dois trocam confissões e viram amigos. A partir desse encontro surge uma história mágica e encantadora.

Impressões do autor

Como imaginário e realidade se interligam em O Príncipe Triste, a história de Helena se confunde com a de Rui de Oliveira. As suas impressões estão presentes, por exemplo, no momento em que conta como foi a ida ao Palácio Imperial. “Impressionaram-me muito os quadros, as pinturas históricas, os móveis e salões e, principalmente, o deslizar das pantufas. Simbolicamente, naquele momento comecei a fazer este livro”, conta. Ele, inclusive, é representado na obra aos 14 anos junto com outros coleguinhas de sala. “Todos foram personagens reais, pintados de memória. Inclusive minha mãe, ilustrada nas páginas 5 e 7”.
Criar o livro não foi tarefa fácil. O autor preocupou-se com todos os detalhes: desde o texto até as ilustrações documental, histórica e figurativa. Foram três anos para a realização do trabalho, incluindo estudos, pesquisas e arte final das ilustrações. Valeu a pena. Rui de Oliveira retrata com perfeição todos os detalhes da época. “Pessoalmente, eu tenho muitos livros sobre indumentária, mobiliário, bem como arquitetura de interiores. Sou muito detalhista. Os tipos de tecidos que utilizo nas roupas eu gosto de caracterizá-los bem. Dedico muito tempo ao estudo de seu brilho, da textura e do drapeamento”, detalha.
Dando mais detalhes de D. Pedro II, o autor contou com a pesquisa da antropóloga e históriadora Lillia Moritz Schwarcz que, segundo Oliveira, materializou o perfil histórico da trajetória de vida do Imperador. “Isto foi conceitualmente muito importante na concepção final do livro. Ela deu veracidade à fantasia real da primeira parte”, justifica o autor. “O trabalho foi muito prazeroso, pois nada como tomar uma pesquisa de ‘adultos’ e traduzi-la para o universo infantil. Gostei também pela mistura de ficção e não ficção e pelo aspecto lúdico e onírico do livro”, endossa Lilia Moritz. A historiadora, para contextualizar o leitor, ainda traz imagens de D.Pedro II que foram coletadas no Museu do Ipiranga, Biblioteca Nacional, Museu Mariano Procópio e em algumas coleções privadas.
Uma das maiores satisfações de Rui de Oliveira é poder mostrar aos leitores um dos maiores estadistas que o Brasil já teve; uma personalidade que merece todo o apreço dos brasileiros e destaca suas qualidades. “Basta ler as crônicas dos viajantes de diversos países que estiveram no Brasil e conheceram D. Pedro II. Todos elogiam a sua personalidade, grande erudição e extrema simplicidade. Isto sem mencionar o seu alto espírito democrático. Ele foi o nosso primeiro grande estadista”, finaliza.


FICHA TÉCNICA:
Título: O Príncipe Triste
Texto e Ilustração: Rui de Oliveira
Textos Históricos: Lilia Moritz Schwarcz
Nº de Páginas: 40
Acabamento: Brochura com verniz
ISBN: 978-85-368-0359-3
Preço: R$ 25,90

A nova redação empresarial

Chega a nova edição de Redação empresarial — obra bem-sucedida no mercado, que se tornou referência para estudantes e profissionais que queiram redigir documentos oficiais e administrativos das mais diversas áreas de modo coerente e direto.

Com linguagem acessível e didática bem estruturada, Miriam Gold apresenta uma metodologia simples e funcional para escrever textos claros, objetivos e concisos — adequados às necessidades do mundo corporativo atual. Além disso, enfoca vícios de linguagem frequentes e dúvidas comuns sobre normas gramaticais.

Entre as novidades da quarta edição, destacam-se exercícios para a fixação do conhecimento, novos capítulos específicos para solucionar as principais dúvidas relacionadas à Nova Ortografia e um exclusivo site de apoio ao material do livro.


Sobre a Pearson
A Editora Pearson está presente em 50 países, oferecendo conteúdo de qualidade para estudantes e instituições de ensino em 13 idiomas. Instalada no Brasil desde 1996, a Pearson publica livros nas áreas de ensino da língua inglesa, com o selo Longman; informática, com o selo Prentice Hall; negócios, com o selo Financial Times/Prentice Hall, e universitária, com os selos Prentice Hall e Addison Wesley.

Ficha técnica
Título: Redação empresarial, 4ª ed.
Número de pág.: 256
Preço: 59,00
Editora: Pearson Education
Selo: Prentice Hall

Sobre a autora
Mirian Gold é formada em letras vernáculas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-graduada em língua portuguesa e linguística do texto, em educação e qualidade na empresa, e em teoria psicanalítica. Além de escrever em diversos periódicos, ministra palestras e treinamentos voltados à comunicação por todo o Brasil

Livro infantil aborda a dificuldade de algumas crianças para fazer amizades

“Anita Bocadura” mostra, de forma simples e divertida, a questão da sociabilidade infantil

Infância. Quando alguém pensa nessa época, provavelmente a primeira lembrança são as brincadeiras com os amigos. Mas o que acontece com uma criança que não tem colegas, nem ninguém para brincar? Como ela conseguiria resolver essa situação? O livro “Anita Bocadura”, da escritora e educadora Mariângela Bueno, trata exatamente desse delicado tema.

Anita é uma garotinha esperta e alegre, mas não é muito feliz. Sem irmãos e amigos, ela muitas vezes se sente sozinha, principalmente nas férias, quando não tem nada para fazer, e ninguém para brincar com ela. A história, no entanto, se transforma quando Anita consegue resolver seu problema, com a ajuda de alguém muito especial.

O livro, que é recomendado para crianças a partir dos cinco anos de idade, conta com ilustrações lúdicas e divertidas de Eliza Freire, e faz parte da coleção “Moral da História”, da Callis Editora.


Serviço
Livro Anita Bocadura
Callis Editora
Autor: Mariângela Bueno
Ilustrações: Elisa Freire
21 cm x 28 cm
24 páginas
Preço sugerido: R$ 21,00

LANÇAMENTO DO LIVRO "CIDADÃO POLICIAL"

Ilustradora coreana apresenta conceitos e técnicas de ilustração de livros infantis para brasileiros

Workshop realizado pelo Instituto Callis tem como objetivo estimular o intercambio de processos criativos entre os profissionais da área

Pela primeira vez, o Instituto Callis realizou um workshop de ilustração gratuito com a presença de uma artista coreana. Ao todo, 13 participantes entre ilustradores, autores e diagramadores receberam a especialista Yang-Hye-Won, em São Paulo.

A iniciativa visou à troca de experiências entre dois universos distintos. Além de apresentar seu trabalho e as técnicas utilizadas, a coreana debateu com os profissionais brasileiros o modo de criação e de produção das ilustrações, questões sobre mercado de trabalho, dificuldades da carreira e do relacionamento entre profissionais da área.

“Após a enriquecedora experiência do encontro, o Instituto Callis pretende programar outros workshops, não apenas com profissionais internacionais, mas também artistas brasileiros de modo a tornar essa arte menos solitária”, afirma Ailton Guedes, coordenador do projeto.

Prepare-se para passar

Livro da Editora Fundamento ensina como passar em concursos e provas

“Não passei por duas perguntas”, “deu branco na hora do teste”, “caiu justamente a questão que eu não estudei”. Essas são algumas das justificativas mais frequentes de quem fez e não conseguiu passar em concursos públicos. Para auxiliar aqueles que desejam passar em testes decisivos, mas não sabem como enfrentar as dificuldades dessa tarefa, o autor Fred Orr escreveu o livro Prepare-se para passar! Como sair vitorioso em provas e concursos, lançado no Brasil pela Editora Fundamento.
Orr desenvolveu uma série de técnicas, baseadas em princípios cognitivos e comportamentais, que auxiliam o leitor a entender melhor o processo de estudo e aprendizagem. A edição brasileira da obra conta ainda com conteúdo exclusivo que apresenta características dos concursos públicos realizados no país e que trazem informações valiosas para quem pretende ingressar na área.
Os capítulos extras foram escritos por dois profissionais que conhecem muito bem concursos públicos nacionais: a professora Roseli Maria Ferreira Lopes, formada pela USP e mestra em literatura brasileira com 30 anos de experiência no Ensino Médio e pré-vestibular, e o engenheiro Paulo César Pereira, que já foi aprovado em 25 concursos públicos.
Prepare-se para passar! também apresenta dicas práticas para manter o equilíbrio emocional, ensinando como superar o temido branco e demais crises de pânico durante os testes, ajuda a fortalecer a memória, como administrar o tempo de maneira eficaz e produtiva e a lidar com diferentes tipos de testes, mantendo o foco e concentração. São 144 páginas, que incluem o capítulo a “A arte de marcar x”.

Editora: Fundamento
Páginas: 144
Autor: Fred Orr com Roseli Maria Ferreira Lopes e Paulo César Pereira
Preço sugerido: R$ 38,00
Site: www.editorafundamento.com.br
blog.editorafundamento.com.br
twitter.com/_fundamento

sábado, 5 de junho de 2010

Patente transforma resíduos tóxicos em material calçadista

Reciclar rejeitos industriais provindo da raspa de couro, cooperando, assim, com a preservação do meio ambiente e a conscientização das empresas é o principal objetivo da patente “Compósitos a base de resíduos de couro com polivinil (PVB)” desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar): José Donato Ambrósio, Lidiane Cristina Costa e Alessandra Lucas Marinelli, do Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais (CCDM-UFSCar) e Elias Hale Junior, do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar.

O processamento do couro é um problema mundial, pois a sua “raspa” contém cromo, um elemento extremamente poluente e altamente cancerígeno. Por isso, indústrias de calçados dispõem de altos valores para depositar esse lixo em um local apropriado, ou até mesmo em aterros sanitários.

A patente foi resultado de um projeto criado em 2007 que busca resolver esse problema reciclando a raspa do couro juntamente ao polímero PVB, resina retirada da composição que reveste o envidraçamento do vidro de carros, que também é um rejeito industrial. Foram desenvolvidos novos produtos como solados de sapatos a partir desses resíduos, tendo como diferencial o método simples de fabricação, pois necessita, para a mistura dos componentes, somente de uma máquina extrusora monorosca, que a maioria das empresas já possui.

Foram realizados testes e o material já está compatível com as normas essenciais para calçados e, além disso, o processo desenvolvido possui a grande vantagem de baratear o custo tanto paras as indústrias, quanto ao consumidor e também por contribuir com a preservação do meio ambiente.

A patente tem como co titulares as empresas Daleph Calçados, Indústria de calçados Glalfer, Cortume Bernardi, Calçados Rossana Sanchez que financiaram parte deste desenvolvimento e contaram com o apoio do Sebrae e da Finep.

Mais informações podem ser obtidas na Agência de Inovação da UFSCar pelo e-mail inovacao@ufscar.br