Assista nosso Programa

sábado, 24 de outubro de 2009

CONDUTA CRUEL explora a mente dos assassinos sádicos


Conduta Cruel
Livro explora, de maneira fria e real, a mente dos assassinos sádicos.

Conduta Cruel faz uma profunda e aterrorizante viagem pela vida de assassinos sádicos da Inglaterra, dos Estados Unidos e da Austrália, explica os diferentes tipos de sadismo e de
sádicos e ainda proporciona ao leitor uma gota de esperança ao alertar sobre algumas maneiras de identificá-los.
A palavra sadismo deriva de um homem francês que viveu entre 1740 e 1814, o Marquês de Sade. Conta-se que certa vez ele contratou os serviços de uma prostituta, a quem fez pequenos cortes na pele e introduziu neles cera quente pelo simples fato de obter prazer.
Sade justificou este ato dizendo que o homem era um ser egoísta por natureza, e só atuando desse modo poderia chegar a ser sincero, e o melhor que poderia fazer um homem sincero era seguir um estilo de vida de libertinagem criminal.
Em Conduta Cruel, lançamento da editora Larousse do Brasil, Carol Anne Davis – considerada a “Rainha do crime” pela Booklist – faz uma profunda e aterrorizante viagem pela vida de assassinos sádicos da Inglaterra, dos Estados Unidos e da Austrália, explica os diferentes tipos de sadismo e de sádicos e ainda proporciona ao leitor uma gota de esperança ao alertar sobre algumas maneiras de identificá-los.

Os assassinos sádicos diferem da maioria dos homicidas porque adoram controlar suas vítimas e fazê-las sofrer, eles geralmente apresentam-se na forma de pessoas comuns, que em um primeiro momento não representam perigo e medo. No entanto, ao encontrar uma vítima, eles se transformam em seres cruéis, com fetiches assustadores e capazes de tudo para saciar desejos obscuros e incontroláveis que resultam em dor e morte.
Segundo Carol Anne, o sádico precisa de uma vítima viva que responda aos seus comandos – testemunhar dor e medo traz a ele uma imensa satisfação sexual. Caso, sem querer, o sádico mate a vítima depressa demais, tentará por vezes machucar ou humilhar o corpo morto, mutilando a carne em seu desejo de vingança.

Em Conduta Cruel é possível entender um pouco mais sobre esses seres infiltrados na sociedade e que passam despercebidos. O cuidadoso estudo da autora mostra que o estilo de cada sádico difere de um país para outro, por exemplo, os sádicos britânicos descritos por Carol Anne eram em geral pessoas de baixa renda e, assim, não dispunham de uma casa segura para levar suas vítimas. Por consequência mataram em hotéis, albergues ou em residência da própria vitima, contrastando com os sádicos norte-americanos, que tinham vans personalizadas nas quais transportavam suas vítimas; um deles possuía até mesmo um pequeno avião. De modo similar, os sádicos australianos com frequência utilizaram grandes áreas abertas, atacando pessoas em praias isoladas ou levando-as para o meio de florestas.
Conduta Cruel proporciona ao leitor uma profunda imersão na mente, na história e no comportamento de assassinos sádicos como Robert Christian Hansen - conhecido como o maior assassino em série do Alasca. Hansen assassinou pelo menos dezessete jovens e estuprou inúmeras outras ao longo de um período de doze anos. Um sádico clássico, ele torturava as vítimas em sua cabana para depois libertá-las, rastreá-las como animais e abatê-las a tiros. Outro sádico em destaque é Richard Francis Cottinghan, ele praticou abusos contra várias adolescentes antes de cometer cinco homicídios no final dos anos 1970 e 1980. Como duas de suas vítimas foram esquartejadas e encontradas próximo a Times Square, ele ficou conhecido como o Estripador de Torsos da Times Square. Mas Cottingham foi muito mais cruel que Jack, o Estripador.
Conduta Cruel desvenda a vida de homens e mulheres que, quando encontram sua “presa”, destroem vidas e sonhos e deixam o rastro de um mundo cruel, injusto e trágico.

Conduta Cruel
Autora: Carol Anne Davis
Tradução: José A.Z. Silva
Pág: 351
Preço: R$ 49,90

*
*
*
Publicidade:
Produtos e preços sujeitos à alteração de acordo com disponibilidade no estoque