Assista nosso Programa

segunda-feira, 29 de junho de 2009

LAMPIÃO E DOM QUIXOTE em confronto no Livro de Francisco Cunha


Livro constrói paralelo e imagina confronto entre dois mitos populares, Lampião e Dom Quixote
O lançamento literário acontece em data próxima à efeméride dos 112 anos de nascimento do capitão Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, nascido em Serra Talhada (PE), em 7 de julho de 1897, e morto em Poço Redondo (SE), em 28 de julho de 1938.
A edição do livro “O Duelo de Lampião e Dom Quixote” foi patrocinada pelo Programa Cultura da Gente, que apóia projetos artísticos desenvolvidos por funcionários da ativa e aposentados do Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

Cordel em prosa comedida, ficção atemporal e absurda
A definição de uma identidade cultural brasileira se arrasta desde o Império – do Indianismo Alencarino aos manifestos da Semana de Arte Moderna de 1922.
No Nordeste, a Arte Armorial, lançada oficialmente em Pernambuco (1970), tem na pessoa do poeta e escritor Ariano Suassuna seu principal idealizador. O Movimento propunha a construção de uma base cultural genuína a partir da arte popular.
Assim, a Heráldica de Suassuna permite resgatar a estética regional, mesclando o popular com o erudito, e servindo de respaldo às diversas manifestações do imaginário nordestino.
Na Música, com os tocadores de pífanos, ritmos e danças; na Poesia, com os cordelistas, repentistas e suas cantorias fantásticas; na Xilogravura, com as imagens vincadas na madeira, aliada à Escultura dos santeiros e talhadores; no Teatro, com os mamulengos e seus bonequeiros; além de uma estética transplantada para o Cinema.
É nesse pano de fundo que nasce o paralelo entre dois mitos populares: um da cultura regional, mito do Nordeste guerreiro; o outro, da cultura clássica universal, mito e anti-herói dos cavaleiros medievais.
A proposta só poderia resultar no caráter burlesco de personagens tão recorrentes. Obviamente, cada um guardando suas referências, numa ficção atemporal e absurda. Na verdade, um cordel em prosa comedida, com os disparates próprios da imaginação cômica e trágica.


FRANCISCO das Chagas CUNHA Filho é cearense natural de Massapê. Jornalista formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e funcionário do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), atuando na área de Comunicação Social.
Nos anos 1980 e 1990, trabalhou profissionalmente com ilustração e arte publicitária em Fortaleza (Terraço Comunicação e Marketing, SENAC, Casas Pernambucanas e Diário do Nordeste). Possui especialização em Comunicação e Mídia Contemporânea. Eventualmente, participa de exposições e concursos literários.

Patrocínio do Programa Cultura da Gente
A edição do livro “O Duelo de Lampião e Dom Quixote” foi patrocinada pelo Programa Cultura da Gente, que apóia projetos artísticos desenvolvidos por funcionários da ativa e aposentados do BNB.
Ação de desenvolvimento humano e responsabilidade social corporativa do Banco do Nordeste, o Cultura da Gente apóia projetos individuais ou coletivos, de autoria ou co-autoria de funcionários e aposentados da instituição, até o valor de R$ 7 mil, nas áreas de música, artes cênicas, audiovisual, artes visuais, literatura e cultura popular.
Coordenado pela consultora interna Rosana Gondim, o Programa é uma iniciativa conjunta dos Ambientes de Comunicação Social, Gestão da Cultura e Responsabilidade Socioambiental, e a Área de Desenvolvimento Humano do BNB.
O lançamento será realizado no Centro Cultural Oboé (rua Maria Tomásia, 531 – Aldeota – fone: (85) 3264.7038), nesta quinta-feira,(02/07), às 19h30, em Fortaleza.
*
*
*
*
*
*
Publicidade:
Direito Previdenciário 2007